Relação entre Asma e Saúde Bucal – Maior risco de cárie?

A asma é uma doença inflamatória crônica das vias aéreas e, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), acomete cerca de 235 milhões de pessoas em todo o mundo. Se não bem tratada, pode causar complicações e comprometer a qualidade de vida dos pacientes, por isso, é fundamental estar constantemente sob o acompanhamento médico a fim de manter a doença sob controle. Em regra, os principais sintomas da crise asmática são: falta de ar, chiado, aperto no peito e tosse.

Assim como a asma, a cárie dentária também é uma doença crônica e, da mesma forma, acomete grande parte da população. Portanto, asma e cárie, são duas doenças com alta prevalência na população mundial. Estudos recentes indicam que a saúde bucal dos asmáticos é mais susceptível a problemas bucais. 

Como isso acontece?

A causa desse aumento do risco de cáries em portadores de asma, pode ser atribuída aos corticosteroides, que, atualmente, são os medicamentos de escolha no tratamento da asma. Alguns pacientes necessitam fazer uso também dos broncodilatadores, principalmente durante as crises asmáticas. Esses medicamentos reduzem o fluxo salivar causando o efeito de boca seca, o que pode provocar mau hálito, além do aumento do risco de cárie e doença periodontal.

Os pesquisadores identificaram um maior desgaste no esmalte dos dentes de crianças asmáticas, o que pode causar, como consequência, problemas estéticos e um aumento do risco para o desenvolvimento de cáries.

Além disso, respirar pela boca, hábito comum entre as pessoas que sofrem de problemas respiratórios, pode ser mais um fator de risco, uma vez que provoca o ressecamento bucal, diminuindo também o fluxo salivar.

E, por fim, negligenciar a higiene oral, o que ocorre principalmente durantes as crises asmáticas, pode provocar o aumento da quantidade de bactérias cariogênicas na cavidade bucal, aumentando, desta forma, o risco de cárie.

Por isso, além de intensificar a visita ao dentista, os portadores de asma devem ficar atentos às seguintes dicas:

– Informe seu dentista sobre qualquer tratamento medicamentoso que esteja fazendo. Assim, o profissional pode atuar no sentido de diminuir as chances de danos nos dentes, como por exemplo, recomendar o uso de suplementos fluoretados na rotina de higienização bucal;

– Converse com seu médico sobre o melhor horário para fazer uso da medicação. Do ponto de vista odontológico, o ideal seria antes das principais refeições;

– Lave bem a boca após fazer o uso de inaladores;

– Beba bastante água e mantenha uma alimentação saudável.

Drª Juliana Marinho Oliva – Perita Odontológica da EVIDA – CRO-6858-DF.